Wednesday, 3 June 2009

"Salve-se Quem Puder!"


Programa acabado de estrear e com um visual que faz recordar os saudosos jogos sem fronteiras, é a nova aposta da SIC: o Salve-se quem puder!


video


Apresentado por Diana Chaves e Marco Horácio, este programa importado do formato internacional de “Hole in the Wall” que dá na BBC, apresenta-se como de puro entretenimento, em que os grupos (formados por 3 pessoas), têm de superar diversas provas, que têm como base a passagem por uma parede que esta apenas aberta numa posição da figura humana.


Dependendo da posição que aparece o espaço na parede, os concorrentes têm de tentar se por em sintonia de forma a entrar pela parede sem serem deitados à água.


A água surge aqui como um elemento importante. Quem é que não tem já saudade das férias de Verão, que se estão a aproximar? A água, como um elemento que traduz o Verão, o calor, a praia e os banhos, faz com que as pessoas desejem ver o programa para sentir este sabor a Verão a chegar.


Com um toque jovial e dinâmico, o programa surge no prime-time da SIC (às 21horas, após o Jornal da Noite), com o objectivo de conquistar as audiências, cansadas já de programas como o “Tá a Gravar” ou o “Não há Crise”, que já satisfizeram os telespectadores.


video


Por fim, é importante não deixar de referir os apresentadores do novo programa. Sendo um formato jovem e até desportivo, o benefício que Diana Chaves, uma cara bonita da televisão portuguesa, que já deu provas de bom profissionalismo, e Marco Horácio, um extraordinário actor português, vêm dar ao programa é imenso e merecedor de prime-time.


A verdade é que o programa ainda agora estreou e já lidera as audiências nacionais.


Quem não gosta de ver um programa divertido e relaxado a entrar pelo ecrã de nossa casa?

Monday, 1 June 2009

"Uma Canção para ti!"


Mais uma vez, a TVI triunfa com um dos seus programas. Desta vez dedicado à descoberta de talentos dos mais pequenos, a TVI é líder de audiências todos os domingos à noite.

O programa é organizado por várias fases, sendo que no final de cada emissão três concorrentes são expulsos por decisão do público.

Os que passam à fase seguinte vão concorrer com outros vencedores.Programa que tem tido a adesão da maior parte dos portugueses e que serve como uma grande descoberta de novos talentos.


video


Contudo, na análise deste programa, que no início parecia bastante pacifico, deparamo-nos com algumas questões.

Primeiro, o facto de os concorrentes serem crianças e este programa fazer com que estes jovens passem por uma enorme tensão, além de terem de despender de várias horas do seu dia para o estudo das músicas. E por fim, a pressão que ultimamente as crianças também têm vindo a passar devido à excessiva cobertura por parte das “revistas cor-de-rosa”. A vida privada dos pequenos tem sido explorada ao máximo nestes últimos meses.

Costuma dizer-se que o sonho comanda a vida, e é de facto gratificante ver estas crianças a lutarem pelo seu sonho. Porém, é necessário não esquecer que estes concorrentes são acima de tudo crianças!

Sunday, 31 May 2009

JN6 – uma aposta irreverente na informação portuguesa


A perplexidade que muitos de nós temos face ao Jornal Nacional deve-se à ideia cultural que temos do jornalismo. Este sai fora do esquema da nossa previsibilidade, sai fora dos cânones do que está tipificado há já muitos anos.


O Jornal Nacional que surge com a “nova TVI” no início do século XXI e veio romper aquilo que já existia na SIC e na RTP1.


O JN6, uma aposta recente do canal, é uma espécie de semanário feito à sexta-feira com a jornalista mais irreverente da actualidade, Manuela Moura Guedes. Uma pivot conhecida pela sua “forma exuberante de apresentar as notícias”. Ela é capaz de intimidar os seus entrevistados pelo seu “modo de combate pela informação”.


A TVI ganha então pela originalidade do programa, uma vez que acaba por dar uma certa novidade com mudança, algo a que não estamos muito habituados. Este no fundo acaba por ser uma resposta à realidade que o jornalismo atravessa hoje, marcando a diferença pela sua aposta no jornalismo de investigação.